Abrangência e História

Os bairros que constituem a Avenida Juca Batista são:

HÍPICA
O bairro foi criado oficialmente a partir da lei de n°6893 de 12/09/1991, e faz parte da mais nova geração de bairros instituídos legalmente na cidade de Porto Alegre. Localizado na Zona Sul da Capital, possui como vizinhos os bairros Serraria, Ponta Grossa, Chapéu do Sol, Espírito Santo e Guarujá. De acordo com o último censo, o bairro possui uma população de pouco mais de 10.000 moradores. Na realidade, a maioria desta população ainda está concentrada nas margens da avenida Juca Batista, que se caracteriza por ser a principal via de acesso à Hípica e aos bairros que se localizam mais ao extremo sul da cidade. Pelo constante crescimento desses bairros nos últimos anos, e conseqüente aumento do fluxo de veículos, a antiga estrada de Belém Novo, atual Juca Batista, sofreu uma ampla reforma, finalizada em 2005: depois da III Perimetral, foi o maior investimento realizado pela Prefeitura na capital. A formação deste novo bairro se deu através de grandes loteamentos, sendo que alguns exigem que as construções sigam um determinado padrão, e outros que, possuindo preços mais acessíveis, não estipulam nenhum formato específico para as residências. São amplas as perspectivas de crescimento para a região e, em função disto, grandes redes de supermercados já se instalaram na Zona Sul, facilitando o dia a dia dos moradores. Um aspecto interessante diz respeito ao nome do bairro: a instituição homenageada possui suas instalações no local deste 1939, que é a Sociedade Hípica. A mesma já pertenceu ao Belém Novo e a Aberta dos Morros mas, a partir de 1991, passou a fazer parte do bairro a quem deu nome. Com uma área de 29 ha, e é considerada o melhor centro de hipismo de Porto Alegre. O bairro Hípica ainda apresenta muitas características rurais mas, aos poucos, esta paisagem vai dando lugar a alguns conglomerados urbanos, e podemos perceber claramente que Porto Alegre está integrando todos os pontos de seu território, através do preenchimento dos vazios que ainda fazem parte da paisagem.
Referências bibliográficas: AHPAMV – Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Velhinho. SANHUDO, Ary veiga. Crônicas da minha cidade.v.2. Porto Alegre: Editora Movimento/Instituto Estadual do Livro, 1975. Dados do Censo/IBGE 2000 In: http://www.portoalegre.rs.gov.br


PONTA GROSSA
Criado pela Lei 6893 de 12/09/91, o bairro possui uma área de 933 ha, e a baixa densidade de 2 hab/ha. Segundo o Censo de 2000, tem pouco mais de 1000 domicílios. Seus limites atuais são: da foz do Arroio do Salso, segue a montante do mesmo até a Av. Juca Batista e, por esta, até a Estrada Retiro da Ponta Grossa. Por esta até a Estrada da Ponta grossa e, por esta, até o Arroio da Guabiroba. Pelo arroio até sua foz no Guaíba. Pela orla do Guaíba, contorna a Ponta Grossa e vai até a foz do Arroio do Salso. Por bairros, seus limites são Serraria, Belém Novo e Hípica. Bastante afastado do Centro, é considerado zona rural de Porto Alegre, sendo ocupado basicamente por sítios e sedes sociais, como por exemplo a Associação Recreativa dos Correios, fundada em junho de 1989; a sede campestre do Teresópolis Tênis Clube; o Clube do Médico, fundado em 1963, e a Associação de Pais e Mestres do Colégio Nossa Senhora das Dores. Seu setor comercial não é grande, e o Ponta Grossa carece de alguns tipos de serviços, precisando buscá-los nos bairros vizinhos. Sua principal característica é a beleza natural, cercado pelo Morro da Ponta Grossa, que dá origem ao nome do bairro, o Morro das Abertas e, ainda, o Lago Guaíba, que faz parte dos seus limites. As principais vias de acesso são a Avenida Juca Batista, a Estrada Retiro da Ponta Grossa e a Estrada da Ponta Grossa.
Referência Bibliográfica: Dados Censo/IBGE 2000. In: http: // www.portoalegre.rs.gov.br/sp


SERRARIA
O bairro foi criado pela Lei 6893 de 12/09/91, e conta com uma população de pouco menos de 6000 habitantes. A densidade demográfica é de 17 habitantes por hectare, relativamente baixa para os padrões da Capital. O Serraria possui como limites a foz do Arroio do Salso, passando pela orla do Guaíba, sentido norte, até encontrar o prolongamento em linha reta da Av. Araranguá e daí por esta via até a Rua Jacundá. Deste ponto, por uma linha imaginária, coincidindo com o prolongamento da Av. Araranguá, até a estrada da Serraria. Por esta estrada, segue até a Rua do Agenor e a rua projetada. Deste ponto, por uma linha reta, seca e imaginária, até encontrar a Rua Dorival Castilhos Machado com o Arroio do Salso, indo por este arroio até sua foz no Guaíba. Por bairro, seus limites são Guarujá, Hípica e Ponta Grossa. Caracteriza-se por ser uma região afastada do centro da cidade, ocupada essencialmente por condomínios horizontais, atendidos por um pequeno comércio local. A principal via de acesso é a Estrada da Serraria, que começa na Estrada Juca Batista e se estende até a Estrada Retiro da Ponta Grossa. Na Estrada da Serraria, 2680, está situado, desde o dia 5 de maio de 1976, o 3º Batalhão de Comunicações (3º B Com), com cerca de 15 mil metros quadrados de área construída, originário da 6ª Companhia de Comunicações do Exército, e advindo da cidade de Bento Gonçalves, que por lá esteve sediado de 1970 até 1975. É responsável pela instalação, exploração e manutenção do Sistema de Comunicações, em apoio ao Comando Militar do Sul. Igualmente está situado no bairro o 8º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado do Exército, na Avenida Orleans, s/n. O bairro também abriga na Estrada da Serraria, 3100, o Centro Social e Treinamento do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - BANRISUL. Situa-se no bairro, às margens do lago Guaíba, a Vila dos Sargentos, assentamento composto por cerca de 300 domicílios, considerado como uma das zonas de risco da cidade, pois em época de cheias no lago, as águas tomam conta da vila. A Prefeitura de Porto Alegre está desenvolvendo um programa, visando a uma possível solução para os moradores da região.
Referências Bibliográficas: Dados do Censo IBGE/2000 In: Http://www.portoalegre.rs.gov.br


ESPÍRITO SANTO
O bairro Espírito Santo, cujo nome diz respeito a uma capela que existia no alto de um dos morros da região, foi legalizado a partir da lei n°6704 de 19/11/1990. De acordo com o último censo (ano 2000), em uma área de 174 ha apresenta uma população de quase 6 mil moradores, distribuídos em 1.706 domicílios. Seus limites por bairro são: Guarujá, Ipanema, Hípica e Chapéu do Sol. Localizado em um dos extremos da Zona Sul, o bairro fica às margens do Guaíba. É cercado e cortado por importantes avenidas, como a Guaíba, a estrada da Serraria e a avenida Juca Batista. Feitas as localizações, um outro fator importante de ser salientado é a existência do núcleo habitacional no espaço do bairro, que leva o nome de Vila Lavoura. Os bairros situados na Zona Sul tem como uma de suas características a grande distância do Centro e, como é o caso do bairro Espírito Santo, pode-se dizer que a ampliação da avenida Juca Batista, concluída em 2005, melhorou muito o acesso ao local. A comercialização dos lotes do bairro começou a ser feita em 1980 e, como neste período os acessos eram precários, os terrenos eram vendidos a preços relativamente baixos. Hoje em dia, com as melhorias estabelecidas, houve um aumento significativo na cotação dos terrenos que se localizam em meio ao exuberante verde que ainda existe por ali. Apesar de possuir uma população bem eclética, uma característica se no bairro, é que as construções voltam-se para o Guaíba, garantindo a beleza da vista que o Lago proporciona. Um ponto de referência importante do bairro é o Clube do Professor Gaúcho, localizado na avenida Guaíba, quase à beira do Lago. A instituição possui mais de trinta anos e é uma ótima opção de lazer para seus associados. Salienta-se que uma boa parte desta região que margeia as águas na Zona Sul é ocupada por sedes campestres de várias associações. O bairro Espírito Santo, que ainda oferece espaços horizontais de desenvolvimento, promete para aqueles que optarem por este local como moradia um ambiente tranqüilo, bem distante da agitação que caracteriza as zonas mais centrais de Porto Alegre.
Referências bibliográficas: AHPAMV – Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho. http://www.cpg.com.br Dados Censo/IBGE 2000. In: http://www.portoalegre.rs.gov.br


GUARUJÁ
O Guarujá foi constituído como tal em 1959, embora seu povoamento seja anterior. Não há como dissociar o desenvolvimento do bairro Guarujá da construção da Igreja Santa Rita de Cássia. No entanto, a mobilização em torno disso foi um grande fator não só para o crescimento do Guarujá, mas também para os demais bairros próximos, tais como o Espírito Santo e a Ponta Grossa, que passariam a dividir a mesma paróquia. Um dos maiores incentivadores do movimento pela construção da Igreja (e um dos primeiros moradores) foi o Capitão da reserva Herculano Azambuja. Com a constituição da Igreja (finalizada em 1952), a então tradicional calmaria do Guarujá passou a ser deixada de lado nos meses de maio, quando acontece a festa de Santa Rita. Desde 2004, a Festa de Santa Rita de Cássia consta do Calendário de Eventos Oficiais de Porto Alegre. As festividades acontecem ali anualmente, no domingo que antecede o dia 22 de maio, dia oficial de Santa Rita, mas festa acontece anualmente, desde 1968, promovida pela comunidade. Apesar de ter em seu princípio uma arquitetura baseada em chalés de madeira para veraneio, desde 1952 há no bairro uma casa, construída por Antonio Amabile, com formas chinesas. Assim como grande parte dos bairros da Zona Sul, igualmente o Guarujá, com a abertura de vias ligando o bairro ao Centro, passou progressivamente de local de veraneio para zona residencial. Infelizmente (assim como na maioria dos bairros à beira do Guaíba) a população não tem mais condições de balneabilidade devido à poluição do rio. As alternativas de lazer então são as áreas verdes do bairro, urbanizadas durante as obras para um melhor drenagem. As constantes reclamações dos moradores quanto aos alagamentos freqüentes no Guarujá (problema gerado pelo fato do bairro ser circundado pelos morros Tapera e Agudo e cortado pelo arroio Guarujá) forçaram a realização destas obras. As principais vias do Guarujá são a Estrada da Serraria, mais ao interior, e a Avenida Guaíba, à beira do rio. A primeira passa pelo bairro, ligando-o à Avenida Juca Batista para o norte e ao Serraria, Ponta Grossa e Belém Novo, para o sul, enquanto que a segunda conecta o Guarujá para o norte com Espírito Santo e Ipanema. A ampliação da Avenida Juca Batista tem incentivado não só o crescimento do Guarujá, mas também do vizinho Espírito Santo. No entanto, boa parte do bairro ainda não foi ocupado, sobretudo nos limites com o Hípica. Pela maior distância para o Centro (em relação a outros bairros da Zona Sul como o Pedra Redonda e Ipanema), o Guarujá é um local ainda em valorização. Um dos maiores problemas do bairro é a deficiência da área comercial, portanto os moradores precisam de alguns serviços prestados (rede bancária, por exemplo) em outras regiões, como o Tristeza. Entretanto, a área de saúde foi melhor provida, com a construção de um posto de saúde em 2003, tendo a seu lado um módulo de assistência social.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: AHMV, Arquivo Histórico de Porto Alegre Moisés Vellinho. SANHUDO, Ary Veiga. Porto Alegre Crônicas da minha cidade. v. 2. Porto Alegre; Ed. Movimento/ Instituto Estadual do Livro, 1975.

descreva a prestação de serviço que procura

Atenção

Se sua empresa, marca, produto ou serviço está nessa lista e você não se sente à vontade com isso, entre em contato conosco escrevendo logo abaixo nos comentários, enviando e-mail para andersoncoopcultural@gmail.com ou ligando (51) 8473.6448, que retiraremos seu anuncio do ar logo em seguida.